Você já ouviu falar do sequestro chocante de Edgardo Mortara pelo Vaticano? Dirigido por Marco Bellocchio, o filme O Sequestro do Papa (Rapto) mergulha na história verídica do menino judeu que foi mantido cativo pela Igreja Católica em 1858 sob a justificativa de um batismo não autorizado.

O filme estreou no Festival de Cannes e explora eventos históricos documentados, como o sequestro, o julgamento subsequente em 1860 e a captura de Roma em 1870.

Leia também:  Planeta dos Macacos: Entenda as cronologias completas e a sequência dos filmes

Bellocchio foca na política e na crítica social, destacando o poder da Igreja através dos séculos até os dias de hoje.

Arte Sacra

Esteticamente, o filme se inspira no Realismo e no Romantismo do século XIX, refletindo nas pinturas da época italiana e francesa pré-impressionista, como as de Eugène Delacroix.

Leia também:  A Filha do Palhaço: Buscando o Tempo que Fez Falta | Crítica do Filme

A narrativa é impulsionada pela interpretação marcante de Enea Sala como Mortara criança, que não frequenta a igreja e nem é judeu na vida real.

A produção também traz como destaque Paolo Pierobon, que interpreta o Papa Pio IX.

Leia também:  Esse vovô deu uma fugidinha e sua História virou filme

Recebendo críticas positivas desde sua estreia, o filme traz o questionamento se é possível corrigir erros históricos profundos.

O Sequestro do Papa promete ser uma reflexão contundente sobre tirania, poder e intolerância, com paralelos ao caso Dreyfus na França e eventos subsequentes. Assista ao trailer completo:

Categorized in: