Quem é aquela mulher de 6 braços do universo X? Criada pela escritora Ann Nocenti e pelo artista Art Adams, Espiral fez sua estreia triunfal em Longshot #1, lá nos idos de setembro de 1985, e desde então, tem sido uma pedra no sapato dos X-Men e um verdadeiro pesadelo para Psylocke.

Quem é Espiral?

Antes de ser a antagonista que amamos odiar, Rita Wayword era apenas uma dublê de risco, vivendo sua vida terrena até que o destino a jogou nos braços de Longshot, o rebelde de cabelos dourados do Mojoverse.

Leia também:  A Saga Do Wolverine nos Quadrinhos: Todos os detalhes para ler e colecionar a fase de Larry Hama

O romance, no entanto, foi breve e tumultuado, com Rita sendo atacada por uma versão futura e malévola de si mesma, levando-a a uma espiral descendente de eventos que culminariam em sua transformação na vilã que conhecemos hoje.

Caindo no mundo Mojo

O amor tem o poder de mover montanhas, mas no caso de Rita, moveu-a para outra dimensão, onde ela assistiu impotente enquanto Longshot era capturado pelo tirano Mojo.

Leia também:  “Happy Nation”: Conheça a história da música do Ace of Base que toca no baile em X-Men 97

A memória de Longshot foi apagada, mas para Rita, o destino reservou um “tratamento especial” nas mãos do cientista-chefe Arize, que a modificou física e mentalmente, transformando-a em uma serva leal com seis braços — dois deles mais mecânicos do que o coração de Mojo.

Com cabelos agora tão brancos quanto sua sanidade, Espiral foi treinada nas artes mais obscuras da magia e modificação corporal, habilidades que ela usaria para mutilar outros, assim como foi mutilada.

Leia também:  Homem-Aranha, Wolverine, animações e sugestões de presentes Marvel para crianças

E, em um ato final de crueldade, Mojo a enviou ao passado para garantir que a história se repetisse, criando um ciclo vicioso que só poderia ter sido concebido por uma mente tão distorcida quanto a dele.

Agora, resta a pergunta: Espiral é a arquiteta de seu próprio infortúnio ou apenas uma marionete nas mãos de Mojo? A resposta, meus caros leitores, pode estar em algum lugar entre as linhas do tempo que ela tão habilmente atravessa.

Categorized in:

Tagged in:

,