Qual o destino dos companheiros fantásticos e porque freamos nossa imaginação após termos que “aceitar a vida adulta”? Esse é o centro do enredo de Amigos Imaginários (IF) mais recente lançamento da Paramount, dirigido por John Krasinski.

Distanciando-se do horror de seus trabalhos anteriores, como em “Um Lugar Silencioso”, Krasinski se aventura em um novo território. Hora de guardar as criaturas letais e brincar com a caixa de ferramentas do o cinema infantojuvenil.

Hora de abrir a porta para os mais fofos monstrinhos.

Entrando na História

Porém o filme começa quando essas portas querem se fechar, com o sopro repetindo das responsabilidades com a chegada da adolescência.

Conduzido pelo olhar de Bea, interpretada por Cailey Fleming, a história explora uma jornada de autodescoberta e encantamento, e a possibilidade de mediar o sonhar com as durezas lá fora.

Parte disso acontece partindo da relação com Cal (Ryan Reynolds), um personagem que assim como Bea consegue ver e interagir com os MIGs (o apelido dado aos seres da imaginação). Juntos eles tem uma missão.

Leia também:  Minha Querida Oni é para crianças? 4 motivos para assistir ao filme do Netflix

Casa Cheia de Fofura

Contudo, é claro que o destaque se abre quando os Amigos Imaginários tomam a tela. E isso se realiza de forma material, posto que Krasinski opta por cenários mais simples e opacos, que são coloridos de vibração por Blue, Blossom e os outros Amigos Imaginários.

Além disso, a proposta de representar diferentes imaginações é transmitida quando os MIGs conseguem ser distintos entre si em conceito. Assim o filme consegue fugir das caixinhas e padronizações, tão comuns quando se quer representar a criatividade.

Amigos Imaginários (IF) Cena de dança A Geleia
Paramount

E não parece fazer mal se as vezes o trabalho de computação gráfica parece oscilar entre as criaturas, uma vez que de não são mesmo reais. O mais importante é povoar esse mundo sem limitações.

Leia também:  Ziraldo, criador do Menino Maluquinho, morre aos 91 anos. Relembre seu legado

Chocando Ideias

Ao lado das criações, vem as comparações. Há ecos de “A Mansão Foster para Amigos Imaginários”, porém a trama acaba indo em outra direção. O que pode até frustrar uma parte do público.

É possível também que existam comparações com as produções da Pixar / Disney, como Divertidamente por exemplo, porém também não parece esse o caminho.

Amigos Imaginários é mais cheio de farpas e não busca ser perfeito.

Amigos Imaginários (IF) no trem várias criaturas A Geleia
Paramount

Ainda que buscando ser sutil em alguns momentos, aqui parece que a ideia não é estruturar um “novo clássico”. A escrita e execução parece focar em entregar diversão. Ao invés de Disney, é mais Illumination.

Assim o filme se joga sem medo de ser infantil e agradar aos pequenos. Krasinski busca mediar jogos de palavras, gags físicas e as inevitáveis piadas de pum sem que o filme por isso se torna superficial.

Leia também:  Amigos Imaginários tem cena pós-créditos? É um filme para crianças?

Olhar Carinhoso

Afinal, se existe uma mensagem em Amigos Imaginários é a ideia de desacelerar, defendendo a ideia de que, às vezes, é necessário resgatar a perspectiva infantil para enfrentar as adversidades da vida.

Assistir a Amigos Imaginários é permitir-se ser tocado por essa leveza, é ser contagiado pela doçura de um mundo visto através dos olhos de uma criança.

Bonus: Estrelas na dublagem

Steve Carell, Phoebe Waller-Bridge, Fiona Shaw, Louis Gossett Jr., Alan Kim e Liza Colón-Zayas são as vozes de destaque na vrsão original com legendas. 

Enquanto isso, a versão dublado em português do Brasil conta com as vozes de Giovanna Antonelli, Murilo Benício e Pietro Antonelli Benício.

IF (Imaginary Friends)

Lançamento brasileiro, Paramount
Ano: 2024
Duração: 108  minutos
Classificação Indicativa: Livre

Assista ao trailer completo e dublado:

Categorized in: